São hábitos mais poderosos do que decisões? Os comerciantes esperam que sim!

Por Leslie Brokaw – 16/05/2012

A ciência de como desenvolver hábitos é utilizado por empresas, tanto para moldar a preferência dos consumidores e para moldar a cultura corporativa.
Os hábitos são forças poderosas, e as empresas estão usando as forças ao interagir com clientes e funcionários.

“Ao longo das últimas duas décadas, a ciência da formação de hábito tornou-se um importante campo de pesquisa em neurologia e departamentos de psicologia em centenas de grandes centros médicos e universidades, bem como no interior de extremamente bem financiados laboratórios corporativos”, escreveu Charles Duhigg, em “Como as Empresas Aprendem Seus Segredos”
Duhigg lançou um novo best-seller “The Power of Habit: A Força do Hábito – Porque fazemos o que fazemos na vida e negócios”  É um tema fascinante: hábitos, em vez de tomar decisões conscientes, podemos ser moldados a tomar até 45% das escolhas que fazemos todos os dias, de acordo com um estudo [pdf] da Universidade de Duke.

Há um processo para a formação de hábitos:. O Cue, a recompensa, o hábito de desencadear uma ação, uma recompensa reforçada, desenvolve rotinas. Dê uma olhada no diagrama na imagem dos três elementos para visualizar como funciona (e como quebrá-lo).

A ciência de como formamos hábitos é usado para vender produtos. “Quase todos os grandes varejistas, a partir de cadeias de supermercados, os bancos e até o Serviço Postal dos EUA, tem um departamento de análise preditiva das dedicadoas compreensões não apenas dos hábitos de compra dos consumidores, mas também de seus hábitos pessoais, assim como a forma mais eficiente do mercado para eles”, escreveu Duhigg. Continuar lendo

Empresas investem mais em redes sociais

Uma boa notícia para os profissionais de marketing que ressaltam a importância do investimento em redes sociais nas empresas e acham que estavam pregando no deserto. Uma pesquisa divulgada pela Ancham (Câmara Americana de Comercio Brasil – Estados Unidos), mostra que 65% das organizações afirmam que devem aumentar ações e verbas de marketing destinadas a esse tipo de ferramenta no próximo ano.

Tudo isso por que estão percebendo que é real o crescimento do uso de mídias sociais e a popularização da internet pelo Brasil. Mesmo assim, 47% dos pesquisados disseram que só 5% de seu orçamento de marketing é destinado às redes sociais. Do grupo, 3% investem, entretanto, 40% da verba na web.

O Facebook é a rede preferida, com 76% de citações na pesquisa, mas Twitter (56%), Google+ (32%), Foursquare (10%) e Orkut (8%) também foram lembrados.

Em todas estas redes, o objetivo principal é relacionamento com o cliente (74%), mas as ferramentas também são utilizadas para reforço de marca (63%); promoção e divulgação de produtos ou serviços (53%); monitoramento de marca (46%); e e-commerce (18%). Na pesquisa, 78% das empresas consultadas possuem perfis oficiais em pelo menos uma rede e 14% ainda pretendem fazer no próximo ano.

Os ‘Nostradamus’ do Marketing Social

Como o marketing social pode construir um exército de clientes fiéis para o seu negócio

Em 1976, muito antes das redes sociais, da Internet e dos computadores nas casas, três caras inteligentes chamados John Short, Edryn Williams and Bruce Christie teorizaram o impacto da presença social e da forma como nos relacionaríamos uns com os outros… Continuar lendo

Palestra – Marketing Digital

Ricardo Cavallini – http://www.coxacreme.com.br/
Autor dos livros “Mobilize“, sobre as possibilidades de propaganda e marketing no universo móvel, de “Onipresente“, que coloca em um contexto histórico Continuar lendo